Partilhar 

Ginecologistas em Santarém|Obstetras em Santarém|Ginecologia em Santarém|Obstetricia em Santarém

 

 
Obter direcções

Ginecologia / Obstetrícia

A Drª Maria de Fátima Antunes além de ser a responsável pela consulta da especialidade na AS Clínica, pertence ao quadro clínico do Hospital Cuf Descobertas no serviço Urgência e Consulta Externa de Ginecologia / Obstetrícia.
 

A consulta de Ginecologia/Obstetrícia na AS Clínica está apoiada por um aparelho de ecografia que permite a identificação imediata de várias patologias, bem como acompanhar de forma segura o período de gestação do feto na paciente grávida.


Corpo Clínico Acordos / Convenções Horários e Marcações
Drª Fátima Antunes
  • Médis
  • Multicare
2ª e 4ª Feira no período da tarde por marcação prévia

 

 

 

Dr. José Santos Coelho

Ginecologia e Obstetrícia

 

- Consultor da Carreira Médica Hospitalar

- Assistente Graduado de Ginecologia e Obstetrícia, pertencendo ao Quadro do    Hospital Distrital de Santarém desde 1981

- Coordenador da Unidade de Planeamento familiar

- Responsável de Equipa Cirúrgica

- Chefe de uma Equipa de Urgência

 

Áreas de interesse:

- Ginecologia Geral

- Cirurgia minimamente invasiva (via laparoscópica/vaginal)

- Tumores genitais benignos

- Disfunções do pavimento pélvico

- Planeamento familiar

- Infertilidade

- Obstetrícia geral

 

Graus académicos:

- Licenciatura em Medicina pela Faculdade de Medicina de Lisboa em 1980

- Assistente de Ginecologia e Obstetrícia no Quadro do Hospital Distrital de Santarém desde 1993

- Grau de Consultor da Carreira Médica Hospitalar em 1999

 

Consultas: 3ª feira no período da tarde, por marcação prévia.

 Endometriose

Endometriose é uma doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e que consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação.

Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas ( atrás do útero ), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga, e parede da pélvis.

Os sintomas mais comuns são:são dor e infertilidade. Aproximadamente 20% das mulheres tem apenas dor, 60% tem dor e infertilidade e 20% apenas infertilidade.A dor da endometriose pode ser cólica menstrual intensa, dor abdominal à relação sexual, dor no intestino na época das menstruações ou uma combinação destes sintomas.

Há diversas teorias sobre as causas da endometriose. A principal delas é que, durante a menstruação, células do endométrio, camada interna do útero, sejam enviadas pelas trompas para dentro do abdômen. Há evidências que sugerem ser uma doença genética. Outras sugerem ser uma doença do sistema de defesa. Na realidade sabe-se que as células do endométrio podem ser encontradas no líquido peritoneal em volta do útero em grande parte das mulheres. No entanto apenas algumas mulheres desenvolvem a doença. Estima-se que 6 a 7 % das mulheres tenham endometriose.

O diagnóstico de suspeita da endometriose é feito através da História Clínica, ultra-son endovaginal, exame ginecológico, e exames de laboratório. Atenção especial deve ser dada ao exame de toque, fundamental no diagnóstico da endometriose profunda.

Topo ↑

 Ovários Poliquísticos

Uma em cada cinco mulheres apresentam sintomas ou sinais de ovários policísticos.


Esta síndrome é caracterizada por sinais de hiperandrogenismo e/ou disfunção ovariana e/ou ovários policísticos ao ultra-som.

Os sintomas habituais são: irregularidades menstruais ou dificuldade na ovulação, alterações da pele e aumento de pêlos, aumento de peso ou abortos.

O diagnóstico é feito através do exame clínico, ultra-som, e exames laboratoriais.

Topo ↑

 Tensão Pré-Menstrual

75% das mulheres tem algum sintoma antes da menstruação.

Topo ↑

 Cólica Menstrual

Dôr e desconforto que afectam cerca 50% das mulheres.

Topo ↑

 HPV

É um vírus que vive na pele e nas mucosas genitais tais como vulva, vagina, colo de útero, e pénis.

Trata-se de uma infecção adquirida pelo contacto sexual.Nos genitais existem duas formas de manifestação clínica: 

  1. As verrugas genitais que aparecem na vagina, pénis e anus.
  2. Existe uma outra forma, que é microscópica, que aparece no pênis, vagina e colo de útero. 

O mais importante nesta doença é que existe uma associação entre alguns grupos de papiloma vírus e o cancro do colo do útero.

O diagnóstico de suspeita é feito através do papanicolaou, colposcopia e o diagnóstico de certeza é feito através de biópsia da área suspeita. Existem também exames que indicam o tipo de vírus e o seu carácter carcinogénico.

O tratamento do HPV é por destruição química ou física das lesões sempre indicado e realizado pelo especialista.

Topo ↑

 Corrimento Vaginal

Um dos mais comuns e mais irritantes problemas que afecta a saúde da mulher é o corrimento vaginal também chamado de vaginite É uma das causas mais freqüentes de visita ao médico ginecologista. 

Caracteriza-se por uma irritação vaginal ou um corrimento anormal que pode ou não ter cheiro desagradável. Pode haver também irritação ou ardor na vagina ou vontade mais frequente de urinar.

Os corrimentos podem ser causados por: 
  • Infecções vaginais
  • Vulvites e Vulvovaginites
  • Infecções cervicais ou do colo do útero
  • Doenças sexualmente transmissíveis

O diagnóstico é feito pela ginecologista através da anamnese ( perguntas para a paciente ),exame ginecológico e eventualmente exames de papanicolaou ou exames laboratoriais. É bom esclarecer que nos casos de corrimentos o diagnóstico clínico tem muito valor. Portanto uma visita ao ginecologista é indispensável. Nem sempre exames de laboratório negativos significam ausência de problemas.

É importante que a lubrificação habitual da vagina durante o acto sexual não é corrimento. Esta lubrificação é absolutamente normal.

Os corrimentos mais comuns são:
  • Candidíase
  • Tricomoníase 
  • Vaginose bacteriana
  • Corrimentos crónico
  • Cervicites

Topo ↑

 Menopausa

A Menopausa ocorre com o final de funcionamento dos ovários, quando estes cessam de produzir estrogéneo e progesterona.

Não é uma doença, é apenas um estágio na vida da mulher.

A principal característica da menopausa é a ausência das menstruações.
No entanto em muitas mulheres a menopausa inicia-se com irregularidades menstruais, menstruações mais escassas, hemorragias, menstruações mais ou menos frequentes.

Não existe idade predeterminada para a menopausa. Geralmente ocorre entre os 45 e os 55 anos, no entanto pode ocorrer a partir dos 40 anos sem que isto seja um problema.

Não há relação entre a primeira menstruação e a idade da menopausa nem tão pouco existe relação entre a idade familiar da menopausa e a sua.

Se bem que em algumas mulheres não sintam nada durante o período da menopausa, a maioria poderá sentir alguns sintomas:
  • Ondas de calor 
  • Suores noturnos 
  • Insónia 
  • Menor desejo sexual 
  • Irritabilidade 
  • Depressão
  • Secura vaginal 
  • Dor durante o acto sexual 
  • Diminuição da atenção e memória 

De acordo com estudos recentes, as ondas de calor ocorrem em mais de 50% das mulheres que entram na menopausa e sua frequência diminui para 30% das mulheres após 3 anos de menopausa, os sintomas podem persistir em 16 % das mulheres com 67 anos de idade.

Topo ↑

 Osteoporose

A Osteoporose é uma doença que afecta principalmente mulheres na pós-menopausa caracterizada por uma fragilidade nos ossos.
Osso Normal  Osso com Osteoporose
osso normal osso com osteoporose
Na menopausa a ausência das hormonas femininas faz com que os ossos percam cálcio e fiquem porosos como uma esponja.

Esta fraqueza dos ossos expõe a mulher a riscos maiores de fracturas tanto por quedas como espontâneas.

Os locais mais comuns são a coluna, o colo do fêmur, e o pulso.

Destas fracturas a mais perigosa é a do colo do fémur. 

É também devido á osteoporose que as mulheres perdem altura com a idade.

Topo ↑

 Cancro da Mama

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nas décadas de 60 e 70 registou-se um aumento de 10 vezes nas taxas de incidência ajustadas por idade nos Registros de Cancro de Base Populacional de diversos continentes. 

Como não existe maneira de prevenir o cancro de mama, o ideal para cada mulher é o diagnóstico precoce. Quanto mais cedo o câncer for diagnosticado maior a chance de cura com um mínimo de sequelas.

Dentro da estratégia da detecção precoce do cancro da mama os passos mais importantes são: 
  • Exame clínico da mama realizado anualmente, para as todas as mulheres. 
  • Mamografia para mulheres acima de 40 anos. 
  • Exame clínico das mamas e mamografia anual, a partir dos 35 anos, para as mulheres pertencentes a grupos populacionais com risco elevado de desenvolver cancro da mama. São consideradas mulheres de risco elevado aquelas com: um ou mais parentes de primeiro grau (mãe, irmã ou filha) com cancro da mama antes dos 50 anos; um ou mais parentes de primeiro grau com cancro da mama bilateral ou cancro do ovário; história familiar de cancro da mama masculino; lesão mamária proliferativa com displasia comprovada por biópsia.
  • Auto-exame da mama

Topo ↑